Dietas da moda obtidas pela internet podem ser prejudiciais à saúde

Segundo especialista, produtos e tratamentos divulgados em redes sociais precisam ser usados com muita cautela.

Sem muito esforço, é possível encontrar alternativas nas redes sociais para qualquer produto ou tratamento estético. Entre aqueles que querem emagrecer, cuidar da pele ou simplesmente ter uma dieta mais saudável, alguns alimentos acabaram ganhando fama, como o sal rosa do Himalaia, o óleo de coco ou o vinagre de maçã, que logo são incorporados à alimentação de um grupo cada vez maior de pessoas.

É o caso da depiladora Roseane Martins, 46, que costuma seguir qualquer dieta como tentativa de emagrecer sem contar com as orientações de um nutricionista. “Eu sempre fui atrás de receitas miraculosas que eu via pelas revistas, na internet, ou que  alguém me falava”, explica. Como esperado, as dicas da internet não funcionaram. “Todos os regimes que fiz até hoje me frustraram”.

Roseane conta que chegou a seguir uma dieta famosa, sobre a qual muitos diziam conseguir perder até 30 quilos em poucos meses. “Eu seguia todas as regras, fazia caminhadas, mas só conseguia emagrecer 10 quilos. Depois, não perdia mais nenhum grama”. Após parar, ela até mantinha o peso por algum tempo, mas não demorava muito para recuperar os quilos perdidos e ganhar outros extras.

Atualmente, a depiladora tenta seguir uma dieta saudável. “Eu me conscientizei que a alimentação é a parte mais importante, então é isso que eu tenho buscado a cada dia”, conta. “Costumo usar produtos como vinagre de maçã e sal rosa na minha alimentação”. Apesar da declaração, Roseane não tem o hábito de visitar nutricionistas, e é aí que pode estar um grande problema.

“Fazer dieta sem orientação de um profissional qualificado coloca em risco a saúde do indivíduo, porque pode sobrecarregar órgãos e deprimir outros justamente pela falta de balanceamento dos macro e micronutrientes”, alerta a nutricionista Juliana Pizzocolo.

Quando fazia dietas, Roseane chegou a ouvir de médicos que alguns dos métodos utilizados por ela poderiam ser prejudiciais para a saúde. “Por ser muito rica em proteínas, a dieta poderia prejudicar os rins. Uma vez fiz um ultrassom de abdome total e deu alteração nos rins, mas nada que comprovasse que foi devido à dieta.”Arte: José Reis

As dicas das redes sociais também podem comprometer a saúde da pele, provocando queimaduras e alergias. O auxiliar de inspeção de qualidade Renato Moura, 20, começou a assistir vídeos na internet na tentativa de arranjar soluções baratas que substituíssem cosméticos. Ele tentou fazer uma máscara facial para remover cravos com gelatina sem sabor, receita extraída da plataforma de vídeo YouTube. Mesmo seguindo à risca todas as recomendações, Renato acabou queimando a pele.

“O vídeo mandava misturar a gelatina com um pouco de água e esquentar no microondas aos poucos até dissolver”, conta. De acordo com ele, as orientações eram aplicar a solução imediatamente no rosto e deixar que ela endurecesse lá mesmo. “A única coisa que eu não contava era que a mistura fosse endurecer muito rápido”. Ele sentiu a pele queimar no momento da aplicação e ainda teve dificuldades para tirar tirar tudo depois. Após a experiência, o jovem tratou a queimadura em casa com pomadas próprias para este fim. Agora, Renato não segue mais tutoriais de beleza na internet.

A facilidade e rapidez das informações obtidas online são as principais justificativas daqueles que buscam soluções para problemas de saúde ou estéticos, como avalia a nutricionista Juliana Pizzocolo. “Nada substitui as orientações feitas por quem estuda e se aprimora no assunto”, completa a profissional.

Autor: Natália Rossi.

Fonte: Metodista.