Cegueira pode ser evitada com exames oculares periódicos

Doenças como glaucoma e catarata são as mais comuns nos brasileiros.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, mais de 160 milhões de pessoas no mundo têm visão reduzida e 37 milhões são cegas. A partir dos 50 anos, é comum o aumento da incidência de doenças que podem provocar a perda da visão.

A principal causa de cegueira reversível é a catarata, que só pode ser curada com cirurgia. Já  as doenças oculares retinopatia diabética (afeta os pequenos vasos da retina, região do olho responsável pela formação das imagens enviadas ao cérebro, devido ao descontrole da glicemia), degeneração macular (ocorre em uma parte da retina chamada mácula e leva a perda progressiva da visão central) e o glaucoma são relacionadas à idade e as três principais causas de cegueira irreversível. O que pode evitar o aparecimento dessas últimas é a prevenção, com visitas anuais ao oftalmologista, além de manter boa saúde.

Segundo o oftalmologista Rodrigo Angelucci, a causa mais frequente da catarata é o envelhecimento natural do organismo. “Em jovens, existem as causas secundárias, como diabetes, em casos de doenças sistêmicas [envolve todo o organismo] e traumas oculares. Além das causas genéticas que podem se manifestar com o tempo”, declarou.

O comerciante Antônio Vieira de Andrade, 44, que na época trabalhava como motorista de ônibus coletivo, descobriu que tinha catarata aos 28 anos e realizou a cirurgia para corrigir a visão. Mas no pós-operatório acabou não seguindo as orientações médicas de não entrar em contato diretamente com o sol e proteger os olhos com óculos escuros. “No primeiro dia de volta ao trabalho, eu esqueci de levar. Trabalhei muito mal e com muita dor. Não sei se esse foi o motivo, mas a catarata voltou em uma parte do olho onde tinha sido removida. Depois disso não fiz mais nenhum acompanhamento”, lembrou.

LEIA MAIS: Surto de conjuntivite assusta São Bernardo

Segundo o IBGE, até agosto de 2018, mais de 35 milhões de brasileiros lidam com alguma dificuldade com a visão e cerca de 500 mil pessoas já receberam o diagnóstico de cegueira. Cerca de 75% dos casos poderiam ter sido evitados com tratamento adequado.

O glaucoma tem como predisposição o histórico familiar e pacientes da etnia negra. É silencioso e não apresenta sintomas. O representante comercial Antônio José da Silva, 54, descobriu o glaucoma em um exame de rotina. “Quando tive o primeiro diagnóstico, estava  com a pressão ocular altíssima, o que poderia levar a cegueira. Hoje, mantém-se média, o que é comum em todo ser humano”, contou ele. A descoberta só pode ser feita com a medição da pressão do olho. Quando há diferença na visão, a doença já está em estágio avançado. “Acredito que os exames periódicos e de rotina, que é o que todos deviam fazer, são importantes. Pois, por esses exames, estou enxergando”, alertou Antônio.

O oftalmologista ainda alerta que o primeiro exame ocular deve ser realizado já na maternidade com o teste do olhinho, realizado pelos pediatras neonatologistas. Existindo alguma suspeita, a criança deve ser encaminhada ao especialista. “Com a prevenção, pode-se promover uma melhor saúde ocular à criança, evitando doenças mais graves que possam aparecer e que não tenham tratamento posteriormente”, adverte.

Autor: Giovanna Vidoto.

Fonte: Metodista.