A mudança climática é uma emergência para todos, em todos os lugares

Uma convergência devastadora de conflito e mudança climática está causando deslocamento e tornando a vida ainda mais precária para aqueles que são forçados a fugir.

Na preparação para a COP26, grande parte da conversa tratou de previsões sobre o futuro e promessas de ações mais decisivas: carbono neutro até 2030 e zero emissões até 2050.

Mas, para milhões de pessoas em todo o mundo, a mudança climática já é uma realidade diária.

90% dos refugiados sob mandato do ACNUR, e 70% das pessoas deslocadas dentro de seus países de origem por conflitos e violência, vêm de países na linha de frente da emergência climática.

Além de esatrem vulneráveis às condições climáticas extremas, como inundações e ciclones, elas veem seus meios de subsistência desaparecem devido à seca e à desertificação.

De Burkina Faso a Bangladesh, e do Afeganistão a Moçambique, as mudanças climáticas estão aumentando a pobreza, a instabilidade e o movimento humano. Estão alimentando tensões e a competição por recursos cada vez mais difíceis de se encontrar.

Surtos de violência e condições climáticas extremas levam as pessoas que já fugiram uma vez a fugir novamente. Mas mesmo que a paz seja restaurada, os deslocados não podem voltar se suas áreas de origem se tornaram inabitáveis ​​por secas, enchentes ou aumento do nível do mar.

O que estamos vendo agora é uma convergência devastadora de conflito e mudança climática que está causando deslocamento e tornando a vida ainda mais precária para aqueles que já foram forçados a fugir.

Alguns dos países mais vulneráveis ​​ao clima estão atolados em conflitos que duram décadas e devastam gerações.

No Afeganistão – um dos países mais vulneráveis do mundo, sofrendo por quatro décadas de conflito – os impactos crescentes da mudança climática estão tendo profundas consequências para os menos capazes de lidar com a situação. O ACNUR trabalha no Afeganistão há mais de 40 anos. Servi pessoalmente no país por vários anos. O conflito prolongado teve um efeito irrevogável – forçando as pessoas a deixar o país, mas também causando deslocamentos internos.

Uma seca prolongada fez com que muitos afegãos lutassem para alimentar suas famílias antes mesmo dos acontecimentos recentes deixarem a economia à beira do colapso. Qualquer deterioração adicional da situação humanitária levará quase inevitavelmente a ainda mais deslocamentos em um país onde 665.000 pessoas já foram forçadas a deixar suas casas este ano.

Para muitos leitores em países mais ricos, isso pode parecer um problema distante em terras distantes. Mas o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) alertou em agosto que mudanças irreversíveis no clima da Terra estão sendo observadas em todas as regiões. Só neste ano, enchentes catastróficas mataram mais de 200 pessoas na Europa, ondas de calor causaram mortes no Canadá e incêndios florestais ocorreram na Sibéria, ao longo do Mediterrâneo e da costa oeste dos Estados Unidos e Canadá.

O mundo está finalmente acordando para o fato de que a mudança climática é uma emergência para todos, em todos os lugares. A dura realidade, porém, é que aqueles que menos contribuíram para isso já estão sofrendo mais.

Se algumas das nações mais prósperas e avançadas têm lutado para ajudar suas populações a se recuperar e se adaptar a um clima cada vez mais imprevisível, o que isso significa para um país como Moçambique? Um dos países menos desenvolvidos do mundo está lutando contra ataques violentos que desabrigaram mais de 730.000 pessoas enquanto ainda lutava para se recuperar de uma série de ciclones, incluindo o ciclone Idai em março de 2019 – uma das piores tempestades já registradas no hemisfério sul.

Quanto mais atrasarmos a ação global e o apoio a países como Moçambique, para que possam mitigar os efeitos das mudanças climáticas, piores serão as consequências.

As estimativas preveem que, sem uma ação climática ambiciosa, o número de pessoas que precisam de assistência humanitária devido a desastres pode aumentar para 200 milhões anualmente até 2050 – o dobro do número atual.

O que podemos fazer e o que estamos fazendo?

O ACNUR tem operações em mais de 130 países e 70 anos de experiência protegendo pessoas deslocadas. Estamos usando essa experiência e conhecimento para ajudar os países com meios e recursos limitados a melhor prever e responder ao deslocamento causado por desastres. Em lugares onde as pessoas já estão deslocadas, estamos ajudando-as a se preparar e se adaptar às mudanças climáticas.

Em Bangladesh, por exemplo, o ACNUR e parceiros têm ajudado refugiados Rohingya a reduzir o risco de inundações e deslizamentos de terra durante a temporada de monções, plantando árvores de crescimento rápido para estabilizar encostas, fornecendo fontes alternativas de energia para cozinhar e treinando refugiados voluntários.

Estamos prontos para intensificar nossa resposta, mas precisamos de ajuda para fazê-lo. Algumas das soluções serão financeiras. Outras, técnicas. Mas a maioria terá de vir de comunidades na linha de frente da emergência climática. Suas vozes devem ser ouvidas na COP e além. Elas têm conhecimento geracional da terra e, portanto, soluções ancestrais que podem ser aplicadas.

Os custos humanos da mudança climática estão aqui e agora. Se nossos esforços coletivos para reduzir drasticamente as emissões e limitar o aquecimento global forem insuficientes, o cenário no qual o ACNUR opera hoje corre o risco de se tornar uma realidade universal.

As gerações mais jovens estão lutando legitimamente por seus futuros direitos humanos. Agora estamos além das promessas – precisamos de ação e responsabilidade.

Este texto foi publicado originalmente pela Al Jazeera em 5 de novembro de 2021.

Fonte: ACNUR