Transporte alternativo é criado por moradores da Vila São Pedro

O sistema foi criado por moradores do bairro para substituir os aplicativos de transporte privados que não vão até o local

Transporte alternativo é criado por moradores da Vila São Pedro
O transporte alternativo da Vila São Pedro funciona via telefone e Whatsapp – Arte: Maristela Caretta/ RRO

Os aplicativos de transporte privado têm ganhado cada vez mais espaço no mercado, desde a chegada ao Brasil em 2014. Muitas pessoas passaram a usá-los como alternativa de locomoção aos transportes públicos, por exemplo.

Porém, em algumas regiões esse recurso tecnológico não está disponível, por ser de difícil acesso, ou até mesmo por ser considerada área de risco. Um desses lugares é a Vila São Pedro, em São Bernardo. Os moradores do bairro, localizado na região sul da cidade,  que não possuíam um veículo próprio, necessitavam de algum transporte particular para se locomover. Tendo em vista essa deficiência, uma iniciativa foi tomada pelos moradores com o objetivo ajudar na mobilidade, o transporte alternativo da Vila São Pedro.

Atualmente, quem está à frente desse projeto é Wagner Cristiano Lira, 32 anos, ele é motorista particular autônomo e conta como funciona esse transporte. “Esse projeto vem de muitos anos atrás, antes do Uber. Trabalhamos com carros de passeio normal, carro próprio e atendemos toda região da vila São Pedro em todos os tipos de serviços. Levamos desde compras para casa do cliente até buscar na UPA quando um paciente tem alta e não tem parentes que tenham carros”.

O transporte alternativo funciona via telefone e Whatsapp(um aplicativo multiplataforma de mensagens instantâneas e chamadas de voz para smartphones), e é utilizado até como transporte coletivo. Os veículos ficam parados nos pontos de ônibus e levam as pessoas que não possuem o cartão de usuário de ônibus( BOM ou Bilhete Único) para pontos da cidade, com um valor mais acessível.

Andrea Alves, 23 anos, está desempregada vê várias vantagens na utilização deste transporte alternativo. “A vantagem é que tem carros disponíveis a todo momento, como se fosse táxi. Eles ficam em pontos específicos, como esse ponto do ‘’sacolão’’  os ônibus demoram muito para passar, então eu acabo pegando esse transporte”.

O guia de turismo, Anderson Rodrigues, 37 anos,  também faz uso desse sistema, que ele classifica como uma necessidade em face da deficiência do transporte público na região. “Devido às linhas de ônibus terem poucos carros, sempre ficamos esperando muito, o intervalo de um ônibus para o outro é grande. Já com esses veículos, chegamos no ponto e imediatamente já saímos”.

Wagner Lira, um dos responsáveis pelo transporte ainda destaca: “Além desses serviços, levamos a passeios como shopping, parques, clubes e shows. Tentamos ajudar da melhor maneira possível com um valor mais acessível”.

Esse sistema alternativo ocorre somente na Vila São Pedro, mas não é o primeiro a surgir em São Paulo. Na Brasilândia, bairro da zona Norte de São Paulo, os moradores sofriam da mesma necessidade que o de São Bernardo. Diante da falta de acessibilidade e mobilidade, um morador  criou o aplicativo Jaubra, com o mesmo intuito de diminuir a defasagem de serviços no local e que funciona até hoje.

*Esta reportagem foi produzida por estagiários da Redação Multimídia da Universidade Metodista de São Paulo.

Autora: Camila Falcão

Fonte: Rudge Ramos Online/Metodista