Sedentarismo durante a quarentena pode causar problemas como diabetes e pressão alta

Alongamentos e exercícios físicos são grandes aliados de quem quer se manter saudável

Sedentarismo durante a quarentena pode causar problemas como diabetes e pressão alta

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o país mais sedentário da América Latina. Por aqui, 40% dos homens e 53% das mulheres não praticam exercícios físicos. É considerado sedentário o indivíduo que pratica menos de 150 minutos de atividade física por semana.

Em tempos de isolamento social, o sedentarismo pode representar um grande prejuízo para pessoas de diversas faixas etárias, de acordo com a cardiologista Ana Gabriela Caldas, que atende no Hospital do Coração, em São Paulo. “Os problemas de saúde mais relacionados ao sedentarismo são: pressão alta, diabetes, obesidade, colesterol alto e doenças cardiovasculares”.

De acordo com a médica, a condição também pode levar ao desenvolvimento de alguns tipos de câncer, como o de mama e de intestino. “Em pessoas idosas o sedentarismo pode ser ainda mais prejudicial, pois nesta faixa etária o principal objetivo de se exercitar é o ganho e fortalecimento da massa muscular”, completa a cardiologista. 

José Roberto Galvão, de 54 anos, é gerente de vendas de uma indústria metalúrgica em Diadema e mora em Santo André. Ele vem trabalhando em home office desde o início da quarentena e conta que apesar de ter tempo, não pratica exercícios físicos em casa. “Trabalho mais de oito horas por dia no computador, mas não tenho vontade de me exercitar”. José Roberto também afirma que está acima do peso ideal e que planeja começar a se mexer, mesmo dentro de casa.

Começar uma rotina de exercícios fora da academia não é fácil, como explica o educador físico Antonio Taffarel de Carvalho, que trabalha no colégio São José, em Santo André. “É importante lembrar que para os que não estão acostumados com o esforço, os exercícios devem ser mais leves, respeitando os limites do corpo”. Ele indica alongamentos mais suaves, para que o corpo vá se adaptando às atividades.

Taffarel também diz que tanto crianças e jovens, quanto adultos e idosos, podem se beneficiar com a prática. “Caminhadas dentro de casa ou do condomínio podem ser muito benéficas. Além dos alongamentos, que causam sensação de leveza e alívio em dores, principalmente por conta do tempo que passamos parados durante a quarentena”. Segundo o educador físico, crianças e jovens podem se exercitar com seus pais, mas no caso de exercícios mais intensos, é importante que sejam compatíveis com a idade e tamanho da pessoa.

Autor: Arthur Ferrari.

Fonte: Metodista.