Projeto ensina funcionários públicos a lidar com mulheres vítimas de violência

Parceria entre a prefeitura e Senac abre projeto “Quem Ama Abraça – Fazendo Gênero”; são 10 encontros de três horas cada

Projeto ensina funcionários públicos a lidar com mulheres vítimas de violência

A parceria entre a SPM (Secretaria de Políticas para Mulheres) de Santo André e o Senac abre o curso do projeto “Quem Ama Abraça – Fazendo Gênero” para conscientizar e preparar funcionários públicos e parte da sociedade civil para atender de forma humanizada mulheres vítimas de violência doméstica da cidade.

De acordo com a secretária de Políticas para Mulheres andreense Silmara Conchão, a área da saúde é uma das principais portas de entrada para a mulher que sofre esse tipo de violência. “São lugares que lidam com a população e esse contato pode ser cuidadoso, em identificar e orientar onde essa mulher pode buscar ajuda, para que nós possamos combater e fortalecer o trabalho em grupo”, explicou Silmara.

Neste ano, a terceira turma conta com 150 funcionários públicos e sociedade civil, que seriam organismos como movimentos populares. O projeto é voltado para funcionários públicos das principais áreas da prefeitura que atendem as mulheres, como a Guarda Municipal, secretaria de Inclusão e Assistência Social, área de serviço social, Cras (Centro de Referência de Assistência Social) e Creas (Centro de Referência Especializada de Assistência Social), assistência jurídica, além da Secretaria de Governo, de Direitos Humanos e de Cultura.

A seleção dos alunos é feita pelo projeto permanente Intersecretarial Elo Mulher, que discute com a representação de todas as secretarias do governo, de acordo com a agenda mensal para discutir política para mulheres em áreas como a saúde, educação, segurança. “Por meio do Elo Mulher, relacionamos o serviço de atendimento das portas de entrada e avaliamos juntas a importância das vagas destinadas”, disse.

Conforme com o coordenador do Senac Santo André, Maurício Carvalhinhos, houve um aumento na procura dos alunos. Comparado a última edição do curso, o número de alunos passou de 81 para 154 inscritos. “A SPM da prefeitura criou uma longa fila de espera para quem não conseguiu se cadastrar nesta edição”, ressaltou Carvalhinhos.

No curso, os principais temas abordados envolvem as Relações Sociais de Gênero, movimentos de mulheres; a violência de gênero; os direitos reprodutivos e sexuais; as políticas públicas voltadas às mulheres e a articulação de rede de enfrentamento à violência contra as mulheres, avaliação e compromissos.

Autoras: Erika Daykem e Thaís Souza

Fonte: Metodista