Pesquisa aponta que 29% de jovens e adultos são analfabetos funcionais no Brasil

Educação de Jovens e Adultos (EJA) é opção para quem quer voltar a estudar

Pesquisa aponta que 29% de jovens e adultos são analfabetos funcionais no Brasil
Analfabetos funcionais não conseguem realizar tarefas simples, como leitura de palavras e frases. Foto: Reprodução/Pixabay – RRO


Pesquisa do Inaf (Indicador de Analfabetismo Funcional), divulgada no mês de agosto deste ano, revela que 29% dos jovens e adultos entre 15 a 64 anos são considerados analfabetos funcionais, o que representa 38 milhões de brasileiros.

Em São Bernardo, o índice de analfabetismo total está em 3% e o de alfabetização rudimentar em 15,1%, segundo a Secretaria de Educação do município. A meta estabelecida no Plano Municipal de Educação é de redução desse último índice para 7,5% até 2025.

 A pedagoga Rosângela Santos afirma que o motivo dos altos índices está no sistema educacional que não recebe o investimento necessário. “Escola é formada de alunos, família e professores/educadores. Estes últimos não têm recebido o investimento merecido, com baixos salários e péssimas condições de trabalho.”

A aposentada Inecia Vargas, 74, moradora de São Bernardo do Campo, estudou até o 4º ano e após começar a trabalhar em uma empresa de alumínio, deixou os estudos para trabalhar viajando, buscando sucata pelo país. Dona Inecia permaneceu por trinta anos na profissão, se aposentou e há um ano e meio decidiu voltar aos estudos.

Seu colega de classe, o autônomo Anailton, 46, conta que se envolveu com drogas ilícitas aos quinze anos, morou na rua por doze, e hoje após estar reabilitado, voltou para a sala de aula para obter o diploma que não conseguiu na juventude. Dona Inecia e Seu Anailton iniciaram as aulas da EJA na EMEB Viriato Correia, e agora estão na E.E. Profª Cynira Pires dos Santos, ambas no Rudge Ramos, para concluir o Ensino Médio.

Para o atual professor de Biologia de Dona Inecia e Seu Anailton, Rosivaldo Bernardo, o processo de aprendizado para jovens e adultos representa um grande desafio. “Tem que ter paciência. Às vezes você repete a mesma coisa um milhão de vezes. Geralmente os alunos mais novos têm um desempenho melhor, mas você não pode avançar enquanto a classe toda não estiver no mesmo nível.”

A Profª Cleonice Cunha, é doutora em neuroaprendizagem e leciona a disciplina ‘Educação de Jovens e Adultos’ no curso de pedagogia da Universidade. Cunha explica que o processo de ensino para adultos é diferente do utilizado com crianças e adolescentes: “Alfabetizar adultos requer outra base teórica para ensinar, uma vez que o adulto já traz consigo uma bagagem de vida muito vasta, quando nos referimos ao adulto e ao idoso. Neste sentido conhecer o que nos diz a Andragogia (a arte ou ciência de orientar adultos a aprender, segundo a definição cunhada na década de 1970 por Malcolm Knowles), amplia muito o processo formativo dos professores, e com isso sua prática em sala de aula melhora bastante.”

A Prefeitura de São Bernardo afirma em nota que: “De acordo com as diretrizes curriculares da EJA em São Bernardo, a organização e desenvolvimento do trabalho pedagógico tem como, um dos objetivos, conceber a Educação como uma prática que apresente possibilidade de criar situações problematizadoras e significativas para transformação social.”

O município possui 34 escolas que oferecem a EJA, e atendem a 5.039 alunos. As inscrições podem ser realizadas em qualquer data do ano, de acordo com a disponibilidade das escolas. Para mais informações, acesse: http://www.educacao.saobernardo.sp.gov.br/index.php/matriculas.html

Leia Mais:  Ensino a distância é realidade de cerca de um um milhão e meio de estudantes

*Esta reportagem foi produzida por estagiários da Redação Multimídia da Universidade Metodista de São Paulo.

Autor: FLÁVIA FERNANDES

Fonte: Rudge Ramos Online/Metodista