Minissaia: O pedaço de pano que representou liberdade

MACKENZIE

A minissaia é uma das queridinhas no verão e ganhou tantas variações que pode ser usada em qualquer estilo. Mas sua história é muito mais empolgante do que você pensa.

Desde a idade média até meados do século XX, as mulheres usavam roupas bem compridas e conservadas. Vestidos longos, espartilhos, rendas e golas altas representavam a moda feminina nos castelos e aos poucos foram se modificando. As mangas caíram, as golas viraram decotes e as saias encurtaram.

O século XX foi marcado como a época que as mulheres ganharam independência e voz na sociedade. Começando pela conquista do voto feminino na primeira década, o poder delas só aumentava. Depois da pílula anticoncepcional em 1960, foi a vez das saias mais curtas aparecerem. Com os movimentos feministas fortalecidos nas ruas, surgiu a minissaia.

Uma peça ousada, com seus 30 centímetros de comprimento e que trazia maior praticidade, liberdade e sensualidade. A princípio, chocou a população. Mas depois de encantar jovens mulheres e alguns estilistas a peça popularizou-se e tornou-se um ícone da moda.

Mas quem foi o responsável pela criação? Existem boatos fortíssimos de que a minissaia não foi criada por um só profissional e sim pelas próprias mulheres em seus cotidianos. Mas Mary Quant, uma estilista britânica, aprimorou a ideia a partir de 1965, e lançou a peça como tendência. Em sua boutique Bazaar, exibia modelos coloridos, simples, curtos e modernos que se tornaram queridinhos de suas clientes.

André Courrèges, um estilista francês, também teve sua importância na propagação da minissaia. Quando, em seu ateliê, criava modelos futurísticos ainda mais ousados e curtos, combinados com terninhos prateados exclusivos para mulheres.

Uma vez que ganharam fama, as minissaias não saíram dos guarda-roupas das amantes de moda. Tornaram-se um item essencial e ao mesmo tempo versátil, quando aparecem em combinações com saltos para festas ou em ocasiões mais descontraídas, seja no inverno ou no verão. Ainda ganharam variações mais soltinhas e rodadas, as quais aparecem até em uniformes escolares e esportivos (tênis).

Todo o sucesso da minissaia se deu por conta da facilidade de encaixa-la em diversos estilos, seja boho, gótico, classic. E você, como usa a minissaia? Já sabia da história da peça? Deixe nos comentários sua opinião 🙂

 

1960s-ladies

AUTOR: Isabella Massoud