Livros infantojuvenis são preferência na Biblioteca do Rudge

Das 10 obras mais emprestadas na Malba Tahan, seis são desse gênero

Quem disse que jovem não lê? A depender do ranking da Biblioteca Municipal Malba Tahan, no Rudge Ramos, os jovens leem e, de preferência, livros infantojuvenis. A pedido da reportagem, a biblioteca enviou uma lista com os 10 livros mais retirados.A biblioteca funciona desde 2000. Desse total, seis são infantojuvenis.

O primeiro da lista é de um autor brasileiro que faz parte da história da literatura mundial: Jorge Amado (1912-2001). Uma de suas obras, “Capitães da Areia”, lidera o ranking com 81 empréstimos. A biblioteca tem seis exemplares impressos do autor baiano e até um DVD, para quem tem deficiência visual ou prefere ouvir a história.

Já em relação aos seis livros do gênero infantojuvenil que estão no ranking geral, “Bruxa, bruxa, venha à minha festa” é o segundo colocado, com 71 empréstimos. de Arden Druce. O livro conta a história de uma garota que quer que todas as criaturas assustadoras compareçam à sua festa de aniversário.

Em terceiro lugar, vem “O Grúfalo” (66), de Julia Donaldson, que fala de um ratinho que cria um monstro em sua imaginação para assustar os predadores.

Depois do quarto e quinto lugares, com livros de aventura, em sexto na lista está “Querido diário otário, é melhor fingir que isto nunca aconteceu” (59). No livro, o autor, Jim Benton, fala da personagem principal, Jimmy Kelly, que consegue ler informações disciplinares de sua maior inimiga, Angelina.

Em sétimo, vem “Macaco Danado” (58), também da britânica Julia Donaldson, contando as aventuras de uma borboleta e um macaquinho, que saem em busca da mamãe macaca.Completam a lista “Diário de um banana: as memórias de Greg Heffley”, de Patrick Jeffrey, contando a história de um menino que precisa se adaptar ao novo ambiente no ensino fundamental e “A velhinha que dava nome às coisas”, de Cyinthia Rylant, narrando a história de uma senhora sem amigos que começa a nomear as coisas por perto dela, os dois com 56 retiradas.

Dos seis infantojuvenis da lista, se destaca com maior quantidade de exemplares “Diário de um banana: as memórias de Greg Heffley’ com quatro cópias. Depois, os livros variam com dois a três exemplares cada. A reportagem constatou que a biblioteca abriga pelo menos 383 exemplares de literatura infantojuvenil, de diferentes autores nacionais e internacionais.

Segundo informações da biblioteca, o público que busca livros infantojuvenis tem, em média, entre 10 e 22 anos. sendo o acervo composto por títulos solicitados por escolas e também de livre escolha dos usuários do espaço.

Arte: José Reis Filho/RRJ

Mais encontrados

O usuário da biblioteca também pode encontrar, em alguns casos, mais de 25 livros do mesmo autor para empréstimo. É o caso da britânica Agatha Christie (1890-1976), com 46 livros. O “Assassinato no Expresso do Oriente”,1974, se destaca com três volumes. A história acontece após um assassinato de um passageiro do trem expresso, na Iugoslávia, que o detetive Hercule Poirot terá que investigar.
O brasileiro Marcos Rey (1925-1999) também tem grande quantidade de títulos, com 32 obras em uma seção exclusiva com seu nome. Com três exemplares, “Enigma na Televisão”, 2004, é um dos destaques do autor. O livro narra o que acontece após um beijo de novela que começa a gerar muitas mortes sem nenhuma pista do autor dos assassinatos.

Outros autores que se destacam são: João Carlos Marinho (25) e que também tem seção própria; Ganymédes José (25); Álvaro Cardoso Gomes (23); Luiz Antonio Aguiar (21) e Stephen King (17).

Clássicos nacionais
Os clássicos brasileiros estão presentes com, pelo menos, 165 obras para empréstimo. No ranking dos 30 livros mais emprestados, três são livros que marcam a história da literatura nacional, “Capitães da Areia”, de Jorge Amado; “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos (1892-1953) e “Memórias de um Sargento de Milícias”, de Manuel Antônio de Almeida (1831-1861).

Os autores que mais têm livros livros são Machado de Assis (1839-1908), com 43, com destaque para “Dom Casmurro”, com 17 cópias; Malba Tahan(1895-1974), com 30; Jorge Amado (28), seguido por Érico Veríssimo (1905-1975) e Carlos Heitor Cony, ambos com 12 livros na biblioteca.

Serviço
A Biblioteca Malba Tahan funciona das 9h às 18h de segunda a sexta. Aos sábados o horário de funcionamento é a partir das 8h às 13h30.

 AUTOR: Alexandre Leoratti e Amanda Leonelli Florindo
FONTE: Metodista