A importância do figurino no cinema

MACKENZIE

Cinema é a caracterização da narrativa em imagens e movimentos. Se a roupa não está de acordo com o cenário, época e personalidade do personagem os espectadores sentirão falta de algum elemento na produção. Assim como na vida real, a maneira como alguém se veste tem grande peso na imagem que os outros terão de tal pessoa.

As peças de roupas também ajudam a dar movimento para a trama. Mudanças de humor e claro, de época, são perceptíveis na escolha do vestuário. Guilherme Pin, aluno de jornalismo do Mackenzie e amante de cinema, ressalta a função do figurino. “Como o cinema trabalha muito o visual, a ambientação e o figurino do personagem são fatores importantes, não só para a compreensão da história, mas para a identificação do público sobre aquela trama e personagem. A partir do visual, é possível entender não só a ideologia e a situação do protagonista, mas também da época e o ambiente em que narrativa ocorre”.


Audrey Hapburn em ‘Bonequinha de Luxo’

Quem não se lembra do vestido branco de Marilyn Monroe em “O pecado mora ao lado”? Ou do clássico tubinho preto com colar de pérolas de Audrey Hapburn em “Bonequinha de Luxo”? Para sair um pouco do universo feminino, imaginem o Super-homem de bermuda e regata. Teria o mesmo impacto?


Marilyn Monroe em ‘O Pecado mora ao lado’

Guilherme tem sua lista de favoritos quando falamos de figurinos clássicos. Bonequinha de Luxo, Maria Antonieta, Memórias de Uma Gueixa , …E O Vento Levou e Cabaret. E recentemente, La La Land; “Pelo fato do filme se passar atualmente, mas não esquecer de suas inspirações nos musicais dos anos 50, 60 e 70, demonstrando muito disso através do figurino”.

Tal importância tem o figurino, que há uma categoria específica para premiá-lo no Oscar (maior premiação mundial de cinema). Criada em 1948, a categoria se dividia em duas sub-categorias: figurino preto e branco e figurino colorido. Ficou assim até 1967, quando o cinema preto e branco deixou de ser muito explorado.

Neste ano, quem recebeu a estatueta de Melhor Figurino foi o longa “Animais Fantástico e Onde Habitam”, assinado por Collen Atwood. Junto a ele, “Florence – Quem é essa mulher”, “Jackie”, “Aliados” e “La La Land” concorriam ao prêmio. O favorito de Guilherme era Jackie, pois “o figurino e a atuação de Natalie Portman foram as melhores coisas do filme”. Mas ele não ficou surpreso com o vencedor, já que foi a 11ª indicação de Collen e “Filmes de época tendem a ter um favoritismo no Oscar, até pela dificuldade em construir roupas e adereços para tempos passados”.

Texto: Isabella Massoud

Fonte: Mackenzie