Galeria de São Bernardo monta roteiro alternativo pelos ateliês do ABC

Andrey Rossi e Henrique Ribeiro são alguns dos artistas que fazem parte do roteiro da OMA Galeria
Galeria de São Bernardo monta roteiro alternativo pelos ateliês do ABC
Obras expostas no ateliê do fotógrafo Henrique Ribeiro – Foto: Giulia Marini/RRO

A região do ABC, sempre chamou atenção por ser berço e morada de diferentes gerações de artistas. Pensando nisso, a OMA Galeria  localizada no centro de São Bernardo, criou um projeto onde são montados roteiros para conhecer alguns ateliês abertos no Grande ABC de jovens artistas que vêm surgindo no cenário nacional e outros de nomes já consolidados.

O coordenador das visitas aos ateliês e galerista ,Thomaz Pacheco, começou a trabalhar na galeria assim que ela abriu (julho de 2013) e conta que a ideia do projeto está relacionada ao momento que o estabelecimento se encontra. “ Há 5 anos que eu venho reforçando essa retórica de que o ABC é um polo formador de artistas e que tem muita coisa potente e boa sendo produzida aqui que as pessoas não tem conhecimento”. Para Pacheco criar esse circuito é uma forma de dar visibilidade para esses artistas que estão produzindo trabalhos absolutamente de ponta.

                                             

Um dos visitantes, foi o colecionador José Gilberto Dafré que descobriu o programa através de mídias sociais da galeria e de artistas que ela representa. “Mantenho, há alguns anos, um  relacionamento mais próximo com o Thomaz, acompanhando eventos e trabalhos da Galeria. Tudo isso me levou às visitas aos ateliês”. O colecionador foi apenas uma vez e diz que desconhece algo parecido. “Gostei muito! Foi um passeio único, que poucos têm o privilégio de realizar. É uma maneira de aproximar o colecionador-admirador dos artistas, e entender melhor o significado das obras, que nem sempre é sentido, ou visto, de cara”, completa. Dafré acha que é importanteporque é uma maneira de admirar obras e escutar o artista, compreendendo melhor o que está vendo.

O colecionador de obras de arte Marvin Tevian ressalta que conhecer os ateliês da região porque aproxima o artista do público. “Eu acho que humaniza a relação. O ambiente de galeria é um tanto elitista e asséptico demais. Ir na fábrica é mais divertido do que ir na loja”, explica. Tevian acrescenta que gostou muito de fazer parte desse evento e acredita que jovens artistas em um futuro muito próximo farão muito sucesso.

Para quem estiver interessado em conhecer onde os artistas produzem as obras de arte e sentir de perto o cheiro de tinta, vale ressaltar que o passeio é totalmente gratuito, sendo visitas organizadas pela própria OMA Galeria. É só entrar em contato com alguém responsável pela galeria e baseado no horário do interessado e dos ateliês, é montado um roteiro específico. Se o interesse for em grupo, é permitido no máximo 8 pessoas. O horário de funcionamento da galeria é de terça à sexta de  12h às 18h e sábado das 10h ás 15h no endereço: Rua Carlos Gomes, 69 – Centro – SBC.

  *Esta reportagem foi produzida por estagiários da Redação Multimídia da Universidade Metodista de São Paulo

Autora: Giulia Marini

Fonte: Rudge Ramos Online/Metodista