Especialistas falam de alguns cuidados na hora de fazer uma tatuagem

Tatuador ensina os cuidados necessários para quem pretende fazer a primeira tatuagem e como conservá-la se você já tem a sua

Especialistas falam de alguns cuidados na hora de fazer uma tatuagem

É cada vez mais comum encontrar pessoas com alguma parte do corpo tatuado. Obras de arte, as tatuagens caíram no gosto daqueles que de alguma forma buscaram na pele uma forma de expressar a opinião. Para isto, reunimos dicas e cuidados necessários para quem tem e para quem pretende ter uma companheira para a vida toda.

Aos 18 anos, o designer Raoni Felix fez sua primeira tatuagem. Hoje, aos 22, já tem quatro e está cheio de ideias para as próximas, mas alerta que antes de tatuar a primeira vez, pensou muito para não se arrepender e o que mais pesou era saber se a carreira de trabalho não seria afetada. “Temos que pensar se a nossa profissão nos permite ter o corpo tatuado. Por mais que não pareça, existe preconceito em algumas áreas do mercado de trabalho e eles chegam a não contratar por causa disso e depois de feita não tem como desfazer”, explica Raoni.

Muitas outras responsabilidades envolvem a pessoa que pensa em tatuar. Não é simplesmente decidir a parte do corpo, ir a qualquer tatuador e pronto. A escolha do profissional é uma das mais importantes. “É obrigação do cliente procurar um tatuador com referência no mercado, que domine a arte e tenha um estúdio bem montado. Não exite em ver se o profissional utiliza materiais esterilizados e a tinta apropriada”, indica George Germano, tatuador com 22 anos de experiência, do Lobão Tatoo em São Bernardo.

A pele também precisa estar preparada para receber o desenho. “Não fazemos tatuagem sobre a pele queimada de sol, com manchas ou sensação de ardor. Espere quando ela estiver saudável”, recomenda George.

Depois da tatuagem feita, as lições não terminam por aí. São necessárias algumas recomendações para que a pele cicatrize bem, sem nenhuma infecção e claro, para que depois o desenho dure muito mais. “Eu segui todas as dicas do artista. Saí do estúdio com o plástico filme e a cada três horas passava uma pomada para deixá-la hidratada. Não pode lavar com água demais, muito menos se expor ao sol por pelo menos um mês, até que a pele cicatrize por completo”, ensina Mayra Gricoli Iokoi, designer de interiores com 22 tatuagens no corpo.

O protetor solar também vira companheiro do tatuado para o resto da vida. “Nunca se exponha ao sol sem antes besuntar a pele de filtro solar, pois com o tempo é natural que a tatuagem perca a cor, e se deixar queimar sem proteção só acelera o processo para o retoque” diz o tatuador.

Autora: Carolina Vertematti

Fonte: Metodista