Desigualdade de gênero persiste na área de exatas

umsp

Uma pesquisa aponta o Brasil como líder no ranking de igualdade de gênero em estudos científicos. Mas, quando o foco é em ciências exatas, as desigualdades em relação às mulheres persistem, principalmente em áreas como engenharia, matemática e ciências da computação.

Embora tenha tido uma mudança na postura das pessoas nos últimos anos, o preconceito contra as mulheres nesse segmento ainda é bastante presente. Segundo a professora e pesquisadora Kalinka Branco, a sociedade acredita que não é possível conciliar a carreira com a vida pessoal. Ser mãe, ter uma casa ou uma família podem se tornar impeditivos na carreira acadêmica.

Confira na reportagem.

Reportagem: Edmara Galvão / Danielly Fernandes

Fonte: Metodista