Dandara dos Palmares, a líder negra esquecida

1

20 de novembro é o Dia da Consciência Negra no Brasil. Foi nesse dia, em 1965, que morreu Zumbi dos Palmares, grande ícone de resistência e força contra a escravidão. No entanto, poucos sabem que por trás dessa história existia também uma face feminina, Dandara dos Palmares. Esposa de Zumbi, e, como ele, também lutou pela libertação total das negras e negros no Brasil.

Infelizmente, pelas marcas do machismo atuante desde o Brasil colônia, Dandara não é reconhecida ou sequer estudada nas escolas. É importante tornar sua história conhecida igualmente como a importância da sua atuação ao lado de Zumbi.

Dandara foi uma referência da luta das mulheres negras no período colonial e escravista e contribui com o legado deixado pelos quilombolas. Foi morta, com outros palmarinos, em 6 de fevereiro de 1694, após a destruição da Cerca Real dos Macacos, que fazia parte do Quilombo dos Palmares. Sua figura se destacava por ser uma rainha combativa e perseguir o ideal de liberdade.

Que não deixemos a história de Dandara de Palmares esquecida e que sua trajetória seja considerada invisível. Sua existência foi e é fundamental para a consciência negra, para discutir sobre a escravidão e o machismo e para combater o racismo enraizado em nossa cultura.

Beatriz Pereira é jornalista e faz parte do projeto Focas de Jornalismo do Clube do Jornalismo desde 2015.