Craisa depende de parcerias para retomar doação de alimentos

Repasses pararam sem aviso prévio em novembro de 2016

Craisa depende de parcerias para retomar doação de alimentos

Quatro meses após suspender a doação de alimentos a organizações não governamentais, a Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André) informou que ainda não tem data certa para retomar a iniciativa.

As doações continham arroz, feijão, macarrão, café e hortifruti. Mas, em novembro do ano passado, ainda na gestão anterior, as doações pararam. A Prefeitura de Santo André afirmou por e-mail que não sabe o motivo da gestão anterior ter parado com as doações e que está trabalhando em uma nova proposta para retomar as atividades ainda no primeiro semestre de 2017.

As instituições que recebiam as doações buscam alternativas para suprir a falta das doações, utilizando parte do dinheiro arrecadado com outras atividades ou com novas parcerias para a aquisição de alimentos.

Segundo Jamyle Coelho, administradora da Creche João 23, que cuida de 170 crianças na Vila Palmares, a Craisa ligava toda semana para ir que a entidade fosse buscar os alimentos no entreposto.

Leia mais:
Cesta básica no ABC tem recuo de 0,01%

De acordo com Jamyle, a doação era em grande quantidade. Com a falta das doações, a creche recorreu a outros programas para suprir essa necessidade. Ela conta que não foi avisada e que quando entrou em contato disseram que o Banco de alimentos estava fechando as contas.

Outra beneficiária das doações é a creche da Cata Preta, localizada na Vila João Ramalho, acolhe 80 crianças de até cinco anos e sete meses. Segundo a administradora Sueli Vieira, eles estão se mantendo por meio de doações dos pais das crianças e parcerias com empresas. “A gente não tem como sobreviver sem a doação”, disse a administradora.

A atual gestão, de Paulo Serra (PSDB), explicou em nota enviada por e-mail que a principal dificuldade é resgatar as parcerias com supermercados. A Prefeitura tenta a criação de um Núcleo de Inovação Social para administrar as doações. O núcleo está dentro da reforma administrativa proposta pela atual gestão e que depende de aprovação para iniciar os trabalhos.

Autor: Alvaro Augusto

Fonte: Metodista