Com origamis e post nas redes sociais, fãs torceram pelos atletas refugiados em Tóquio

Apesar da ausência do público nas arquibancadas japonesas, Equipe Olímpica de Refugiados recebeu uma onda de apoio durante a Olimpíada de Tóquio 2020.

Estudantes japoneses de uma cidade que foi devastada pelo tsunami de 2011 fizeram e enviaram 1.000 guindastes de origami, um símbolo tradicional de esperança e encorajamento da cultura japonesa, para a atleta Rose Nathike Lokonyen em uma das muitas manifestações de apoio à Equipe Olímpica de Refugiados durante os Jogos de Tóquio.

“Queríamos torcer por ela e, embora não conseguíssemos nos comunicar por linguagem, pensamos que, se fizéssemos 1.000 origamis de papel, nossos sentimentos a alcançariam”, disse Honomi, 14, estudante do terceiro ano da Takata Daiichi Middle Escola em Rikuzen-Takata, que está sendo reconstruída após o tsunami que ocorreu há 10 anos.

Rose, que disputou a prova dos 800 metros e foi uma das 29 atletas integrantes da Equipe Olímpica de Refugiados, visitou a escola em 2019, quando correu e se exercitou com os alunos. Ela também falou sobre sua vida como refugiada que fugiu da guerra no Sudão do Sul, seu país de origem, e sua vida no campo de refugiados de Kakuma, no Quênia.

“Ela parecia uma mulher forte”, disse Shion, 15.

“À medida que dobrávamos cada um dos papéis, pensávamos em Rose.”

Para algumas das crianças, essa foi a primeira vez em que aprenderam sobre a questão das pessoas refugiadas e do deslocamento. Mas tanto Honomi quanto Shion sentiram que podiam se relacionar com a experiência de Rose depois que ambos perderam suas casas no tsunami e tiveram que viver em alojamentos temporários, dependendo momentaneamente da ajuda de outras pessoas.

“Em um piscar de olhos, o espaço feliz da minha vida foi destruído”, disse Shion.

Honomi se lembra de ter ficado preocupada na época porque sua família tinha poucos recursos para sobreviver no início. “Mas, por causa da ajuda que recebemos de muitas pessoas, conseguimos chegar até onde estamos”, disse ela.

Toda a turma do terceiro ano de cerca de 100 alunos se reuniu em pequenos grupos em suas salas de aula para dobrar os origamis, que foram amarrados juntos. Todo o projeto demorou mais de duas semanas para ficar pronto. “À medida que dobramos cada um, pensamos em Rose e como eles poderiam encorajá-la”, disse Shion.

Um cartão de boa sorte para Rose antes de sua corrida nos 800 metros, feita pelos alunos da Takata Daiichi Junior High School em Rikuzen-Takata, Japão. © ACNUR/Ko Sasaki

Com a impossibilitado de comparecer aos jogos desta Olimpíada devido às medidas de prevenção à COVID-19, as pessoas no país-sede e em todo o mundo encontraram outras maneiras de mostrar seu apoio aos atletas refugiados.

Em todo o Japão, estudantes universitários torceram pelos atletas refugiados por meio de várias contas nas redes sociais, incluindo o envio de vídeos e mensagens de texto pelo site “Fly-Your-Message” criado pela organização juvenil estudantil YouthxUNHCR for Refugees.

Assistindo a cobertura dos jogos pela TV, Natsumi, estudante de 21 anos do terceiro ano da Akita International University, torceu pelos atletas como a nadadora Yusra Mardini e os atletas do taekwondo.

“A Equipe Olímpica de Refugiados pode ser um catalisador para que as pessoas aprendam.”

A exposição global dada a esses atletas despertará uma maior consciência no Japão e em todo o mundo sobre a situação do deslocamento forçado, que afeta mais de 82 milhões de pessoas em todo o mundo.

“Muitos estudantes universitários simplesmente não estão conscientes sobre os problemas das pessoas refugiadas”, disse Natsumi. “Portanto, acho que a delegação de atletas refugiados pode ser um catalisador para que as pessoas aprendam. E pessoas como eu têm que acompanhar os passos desses atletas e compartilhar suas histórias com outras pessoas, para que isso seja levado para frente.”

A Universidade Waseda ofereceu apoio aos atletas, hospedando-os antes das Olimpíadas. A instituição se orgulha de seu legado no apoio aos refugiados. Há também um monumento em homenagem a um de seus alunos, o diplomata Chiune Sugihara, que como vice-cônsul na Lituânia salvou a vida de milhares de judeus ao emitir vistos de trânsito para o Japão durante a Segunda Guerra Mundial.

“Achamos importante colocarmos este campo de treinamento em funcionamento e oferecermos aos nossos alunos a chance de pensar sobre a questão das pessoas refugiadas”, disse a Universidade Waseda em um comunicado.

O prefeito de Bunkyo Ward, cidade-sede dos seis membros da Equipe Paralímpica de Refugiados do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês) que começam a competir no final deste mês, também espera que a exposição gere mais interesse do público pelas pessoas refugiados.

“Eu queria criar uma oportunidade por meio dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de ensinar nossos estudantes sobre este importante tópico da crise global de refugiados”, disse o prefeito Hironobu Narisawa em uma entrevista para o jornal Mainichi.

Devido às medidas de proteção em relação à COVID-19, a Bunkyo Ward não está hospedando os para-atletas, mas ainda deseja apoiá-los e planeja realizar um workshop para residentes sobre as pessoas refugiadas.

“Já faz algum tempo que sinto que há necessidade de uma seção de apoio aos refugiados. Não apenas para as Olimpíadas e Paralimpíadas, mas acho que há algumas lições maiores que precisamos ensinar sobre paz e humanidade”, disse Narisawa.

Regina Nakang Aloitho (à esquerda) e sua tia Mary Natukoi Victor assistem aos Jogos em um celular no campo de refugiados de Kakuma, no Quênia. © ACNUR/Loduye Ghaisen

Do outro lado do mundo, o público também estava torcendo pelos atletas dos campos de refugiados na África Oriental, onde vivem vários membros das delegações de atletas refugiados.

“Coragem! Coragem! Para que você possa representar os refugiados que não tiveram a chance de chegar até aí e nos representar adequadamente”, disse Nadege, refugiada do Burundi, do campo de Mahama, em Ruanda.

No campo de refugiados de Kakuma, no Quênia, a tia de Anjelina Nadai Lohalith torceu por ela durante sua corrida nos 1.500 metros.

“Ela é um modelo exemplar. Ela me inspira muito. Se eu fosse jovem, com certeza teria adorado ser atleta. Eu continuo encorajando meus próprios filhos a admirar Anjelina, para que possam viajar e ver o mundo como ela fez”, disse Mary Natukoj Victor

“Eles sabem que o mundo está de olho neles.”

A equipe também obteve apoio público, por meio de entrevistas com atletas refugiados nas redes sociais ou envio de mensagens, de uma série de celebridades e atletas olímpicos de destaque, incluindo a nadadora Katie Ledecky, o velocista Andre de Grassi e o mergulhador Tom Daley.

No Brasil, atletas como Daniel Dias, Darlan Romani, Hugo Calderano, Cris Rozeira e Wallace de Souza gravaram emocionantes conversas com pessoas refugiadas que vivem no Brasil, resultado de uma campanha chamada “Reflexos”.

“Isso é algo que eles vão se lembrar para o resto de suas vidas. Porque agora eles sabem que o mundo está de olho neles. Temos muita sorte de as pessoas estarem nos apoiando, para trazer essa equipe para onde está hoje”, disse Yiech Pur Biel, membro da Equipe Olímpica de Refugiados dos Jogos Rio 2016, atual representante dos atletas refugiados.

FONTE: ACNUR.