Brasileiros higienizam alimentos de forma inadequada na pandemia

Apenas 57,2% das pessoas usam produtos para evitar a contaminação das embalagens do delivery, aponta pesquisa da USP

Brasileiros higienizam alimentos de forma inadequada na pandemia

Muitos hábitos foram alterados desde a descoberta da Covid-19, rotinas, serviços e cuidados são as principais mudanças neste cenário. O uso do álcool em gel e da mascara passou a ser obrigatória, mas um cuidado tão importante quanto esses, mas pouco lembrado por brasileiros é a higienização de compras feitas em mercados e delivery.

Segundo pesquisa da USP, divulgada no último dia (14/9), 52,3% das pessoas higienizam frutas de forma incorreta e apenas 57,2% dos entrevistados higienizam embalagens do delivery. O levantamento entrevistou, em julho, três mil pessoas de todo o País, sendo a maioria mulheres, casadas e com alto nível de escolaridade.

A higienização dos alimentos e embalagens é fundamental na luta contra o coronavírus. A infectologista e doutora em saúde pública Mariana Croda, afirma que o cuidado com as compras feitas, principalmente delivery, deve ser prioridade para evitar a contaminação por superfícies. “O delivery é mais perigoso, pois são alimentos que acabaram de ser manipulados. O vírus não é muito resistente a detergentes e álcoois, por isso a importância da higienização para evitar o contagio da doença por superfícies e alimentos”.

O casal Sandra dos Santos e Douglas dos Santos, moradores de São Bernardo tomam muito cuidado com as compras. Douglas, 48, trabalha na área contábil e comenta a forma como higieniza as compras realizadas. “Coloco em minha mesa as compras, utilizo papel toalha com álcool 70% e passo nas embalagens do mercado e delivery”. Sandra, 45, é dona de casa e afirma que também usa lenços umedecidos e borrifadas de álcool. “Higienização sempre. Além do álcool 70% utilizo lenços umedecidos que agora possui álcool e borrifadas em cartas e correspondências”.

O estudo da USP, divulgado na semana passada, também mostra que 17,9% dos entrevistados usam apenas água para higienizar as compras, 7% utilizam água com vinagre e 27,4% água com detergente.

A infectologista Mariana Croda comenta ainda, qual a maneira correta de higienizar as compras. “O padrão de higienização e o mais recomendado é colocar as compras em uma bacia e utilizar o álcool 70% em borrifadores ou lenços. Também devemos tomar cuidado com as nossas mãos, pois ela pode ser infectada nesse processo. Depois de finalizado o processo de limpeza dos produtos devemos higienizar as mãos o mais rápido possível”.

Porém, nem todas as pessoas tem esse cuidado. Ana Lúcia Oliveira, 44, é administradora e comenta que não costuma higienizar as compras. “Não faço a higienização, pois não estou acostumada e é tudo muito corrido para mim. Não conheço ninguém que faça a devida higienização das compras e embalagens”, afirma a moradora do bairro Rudge Ramos.

A contaminação por superfícies é muito perigosa. O levantamento da USP, realizado entre os dias 25 de junho e 14 de julho, mostra que dos 3.000 entrevistados apenas 46,1% transfere a refeição e descarta a embalagem.

Autor: Leonardo Cunha.

Fonte: Metodista.