Balé adaptado ajuda na inclusão de pessoas com deficiências

Ajustado para crianças com necessidades especiais, o balé adaptado, além de ser uma forma de inclusão, traz benefícios no âmbito intelectual, corporal e psicológico.

Balé adaptado ajuda na inclusão de pessoas com deficiências

Localizado em São Caetano, a Escola Municipal de Bailado Laura Thomé realiza esse serviço desde junho de 2017. Atualmente, nove alunos participam da atividade. Segundo a coordenadora da escola, Sandra Amaral, a ideia do início do projeto é antiga. “Estávamos tentando realizar esse projeto faz muitos anos, mas por uma série de motivos nós não conseguimos”.

Professora de balé há 20 anos e fisioterapeuta Elen Araújo diz ter aliado os conhecimentos da fisioterapia com técnicas de balé clássico para poder moldar a aula. “Tenho que adaptar de acordo com a necessidade de cada um. Tenho alunos com deficiência auditiva, outros com síndrome de down, déficit intelectual e por aí vai”.

Outra professora da escola é Valéria Savassa. Ela dá aula no local há 28 anos e também já trabalhou por um ano na APAE – SCS (Associação dos Pais Amigos dos Excepcionais – São Caetano) com crianças especiais. “Para mim, foi um crescimento pessoal. Depois que você começa a trabalhar com essas crianças você enxerga o mundo de outra forma”.

Mãe da aluna Fernanda, 8, Vanessa Gotti, relatou melhoras significativas na filha que sofre de problemas comportamentais. “Ela ficou mais alegre, melhorou a questão da ansiedade. Porque ela era realmente muito nervosa”. Outra mãe que afirmou ter percebido avanços na filha é Danieli Soares. Ela contou até que Lívia Calori, 5, prefere ir à aula de balé ao invés de ir para a escola regular.

O projeto é uma parceria da escola com a Secretaria de Assistência e Inclusão Social e da Secretaria de Cultura. As aulas são oferecidas gratuitamente para moradores de São Caetano, e ocorrem durante os períodos da manhã e tarde. A Escola de Bailado Laura Thomé fica localizada na rua Antônio Bento, 180, bairro Santa Paula, em São Caetano. 

Autores: Luis Henrique Leite e Rodrigo Monteiro.

Fonte: Metodista.