Alunos desenvolvem pulseira que auxilia deficientes auditivos

Acessório criado por estudantes do Instituto Mauá permite que pais detectem quando bebê chora
Alunos desenvolvem pulseira que auxilia deficientes auditivos
Pulseiras foram desenvolvidas para captar o choro e funcionam por meio de ondas vibratórias – Foto: Tamara Sanches/RRO

“E se você não ouvisse seu filho chorar?” Essa frase inspirou os alunos Luiz Henrique Ferreira, Artur Guiguer, Matheus Camargo e Carlos Eduardo Nascimento, do curso de design do Instituto Mauá, a criarem um objeto para ajudar pais deficientes auditivos a cuidarem dos filhos ouvintes. O projeto de trabalho de conclusão de curso consiste em duas pulseiras: uma para a criança, que capta o choro por meio de microfone e transmite o sinal de ondas vibratórias por Bluetooth para a outra, usada pelos pais.

O estudante Luiz Henrique Ferreira explica que a pulseira foi criada principalmente com o objetivo de fortalecer a questão afetiva entre pais e filhos, porque não é possível ouvir o choro do bebê durante a noite. “Geralmente a relação familiar se torna defasada quando os filhos são ouvintes e os pais são surdos. Isso afeta o desenvolvimento da criança a longo prazo, e o produto foi desenvolvido para ajudar nesse processo”.

O aluno Matheus Camargo conta que foi exatamente essa questão que os levou a desenvolver um produto relacionado a design social. “Fomos atrás de relatos e casos reais, e na maioria dos que encontramos, a relação pai e filho acabava se perdendo. Isso nos inspirou”.

Nilson da Silva Pontes, supervisor de TI e morador de São Caetano, é filho de pais surdos. Ele conta que achou a ideia ótima e muito criativa, já que a pulseira permite que os pais tenham menos preocupação e não precisem ficar acordando no meio da noite para ver se a criança está chorando. “Vai facilitar muito para os pais. Na minha infância, minha vó ia na minha casa às vezes para ajudar”. Conhecendo bem essa realidade, Pontes ainda ressalta que não são muitos os projetos que auxiliam as pessoas surdas.

Batizada como Silence, a pulseira detecta somente o choro, não levando em conta qualquer ruído ou barulho externo do ambiente. Além da parte funcional, os estudantes pensaram na estética da pulseira e planejaram várias cores diferentes. O acessório também possui outras funções, como GPS e sincronizações de dados médicos que auxiliam os pediatras.

 *Esta reportagem foi produzida por estagiários da Redação Multimídia da Universidade Metodista de São Paulo

Autora: Tamara Sanches

Fonte: Rudge Ramos Online/Metodista