Alimentação consciente e saudável

Reconhecer os nutrientes de cada alimento para combiná-los de forma correta é importante para veganos

Alimentação consciente e saudável

Apesar do que muitos pensam, é possível que pessoas veganas tenham uma alimentação dosada e balanceada, ainda que sem o consumo de carnes, ovos, leites e derivados. Estes alimentos podem ser substituídos por leguminosas e grãos que, juntos, igualam a quantidade de proteínas estipuladas na pirâmide alimentar tradicional.

Segundo a nutricionista Dominique Horta, de São Caetano, o consumo alimentar não é o único fator determinante para se ter uma alimentação equilibrada. “Também há a questão de como está o processo digestivo, a absorção e a utilização dos nutrientes dentro do organismo. É isso que vai definir se a pessoa vai ter ou não a carência de algum componente”, explica.

A principal polêmica em torno da alimentação vegana se deve ao consumo de proteínas, presentes nos mais diversos processos biológicos do metabolismo humano. Para que a absorção deste nutriente seja eficaz, é necessário o consumo de fontes de proteína vegetal, como sementes, grãos, raízes e leguminosas.

A preocupação gira em torno do quão importante é reconhecer os nutrientes de cada alimento para combiná-los de forma correta. “Os aminoácidos que faltam nas leguminosas, por exemplo, estão presentes em grande quantidade nos cereais integrais e vice-versa. Portanto, eles precisam ser consumidos juntos para se tornarem proteínas completas”, comenta a nutricionista, especializada em nutrologia funcional.

Outro ponto de atenção para uma alimentação vegana é a ingestão excessiva de carboidratos, causadora de doenças como a diabetes e o Alzheimer. Segundo Dominique, é importante que os cereais refinados como a batata, a farinha e o arroz branco sejam evitados e substituídos pela quinoa, aveia, arroz integral e batata doce. Além disso, a recomendação é investir em frutas com baixo teor de frutose, como o abacate, coco e frutas vermelhas, e nos alimentos compostos pela chamada “gordura boa”, como as sementes, o azeite, o óleo de coco e os leites de amêndoas.

Caso seja necessária uma complementação, devem ser utilizadas cápsulas vegetais. Porém, assim como a carência, o excesso de nutrientes também é prejudicial à saúde. É contra indicado o consumo de suplementos farmacêuticos sem antes realizar uma avaliação médica, que irá estipular as doses, substâncias e tempo de consumo necessários para cada caso.

Dica

As principais fontes de proteína vegetal são: castanhas, nozes, amêndoas, amendoim, vegetais de cores intensas, cereais integrais, aveia, quinoa, chia, linhaça e arroz integral.

Autora: Mariana Sana.

Fonte: Metodista.