Por que sentimos mais fome no frio?

USP

Você provavelmente já deve ter notado que sente mais fome no frio, ou ouviu alguém se perguntando porque isso acontece. Será que isso é um mito e é apenas psicológico? Ou será que existe base científica e fisiológica para que isso aconteça? Andrea Romero, professora de nutrição e gastronomia da Universidade Prebisteriana Mackenzie, e Fernanda Soares, nutricionista, ajudam a esclarecer as dúvidas sobre esse assunto e ressaltam cuidados com a nutrição nessa época do ano.

Afinal: isso é verdade ou um mito?

A sensação de maior fome durante o inverno e dias frios tem base fisiológica e está relacionada com a regulação dos nossos sistemas. “Precisamos de maiores quantidades de energia para manter nossa temperatura corporal. Com a diminuição da temperatura [externa], nosso corpo precisa manter os órgãos internos aquecidos, então existe um aumento do gasto energético. Se mantivéssemos o mesmo consumo de calorias do que no verão, nossa tendência seria de perda de peso”, explica a professora Andrea.

É a partir de então que sentimos a sensação de fome: “isso não é interessante para o organismo, então ele envia sinais para o sistema nervoso central para o aumento da fome e do apetite para compensação do aumento do gasto energético”. Andrea acrescenta que “nossa predileção para alimentos quentes também aumenta, o que ajuda na regulação da temperatura”. Portanto, podemos concluir que essa fome não é um mito, como ressalta Fernanda: “gastando mais energia, consequentemente sentimos mais fome”.

Mas há um pequeno fator psicológico

É certo que fisiologicamente sentimos mais fome naqueles dias mais gelados. Porém, há outro fator, de cunho mais psicológico, que pode elevar nosso consumo: “pode existir uma necessidade de aconchego, de ficar mais próximo de pessoas queridas, o que poderia levar ao consumo de alimentos chamados confort food, que são alimentos que confortam”, diz Andrea Romero. Alguns exemplos que a professora cita são bolos, bolinho de chuva, pães e “coisas que nossas avós faziam com carinho”.

O maior consumo pode ser prejudicial?

Qualquer consumo em excesso pode ser prejudicial, em qualquer época do ano. Porém, ambas as professoras ressaltam que a escolha de certos alimentos pode trazer resultados mais indesejáveis. A nutricionista Fernanda atenta para o fato de que, se o indivíduo escolher muitos alimentos de alto valor energético para se alimentar, o consumo pode ser prejudicial. Andrea ressalta essa opinião, lembrando das confort food: “como estes alimentos com maior densidade energética e altamente palatáveis são ricos em gordura e carboidratos, o consumo exagerado poderia levar ao ganho de peso nessa época do ano”.

Cuidados especiais

Devemos buscar ter uma alimentação saudável independente da época do ano, mas há algumas coisas a que se deve prestar mais atenção. A professora Andrea lembra que “o consumo de frutas, verduras e legumes, que são ricos em oxidantes e também em vitaminas e minerais, é extremamente importante durante todo o ano. Como as frutas, por exemplo, são alimentos mais refrescantes, podemos ter a tendência de diminuir seu consumo nessa época do ano. Portanto, devemos ter atenção e manter o consumo.” Assim, “devem sempre ser observados o consumo de vitaminas e minerais, que são responsáveis pela pele, unhas e cabelos”.

Então, não há nada de errado em sentir mais fome no frio — existe base científica para isso, mesmo levando em consideração um pequeno fator psicológico. E é importante, claro, escolher alimentos com um bom valor energético e manter uma alimentação balanceada e cuidados que seriam mantidos em qualquer época do ano.

Texto: Thaís Navarro

Fonte: Jornalismo Júnior/USP